Decreto N° 053/2020  Condutas vedadas aos agentes públicos - Período Eleitoral

ESTADO DO ACRE
PREFEITURA MUNICIPAL DE BRASILEIA
GABINETE DA PREFEITA

 

DECRETO N° 053 DE 16 DE OUTUBRO DE 2020.


“Dispõe sobre as condutas vedadas aos agentes públicos

do Município de Brasiléia no período eleitoral.”


FERNANDA DE SOUZA HASSEM CESAR, Prefeita Municipal de Brasileia, Estado do Acre, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo
artigo 99, inciso I, da Lei Orgânica do Município de Brasileia – Acre e,


CONSIDERANDO o que estabelece a Lei Federal nº 9.504, de 30 de setembro de 1997, especialmente na Emenda Constitucional nº 107,

de 02 de julho de 2020, acerca das eleições municipais de 2020,

bem como Resoluções do Egrégio Tribunal Superior Eleitoral;


CONSIDERANDO que a Administração Pública se rege, dentre outros,

pelos princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade

e eficiência;


CONSIDERANDO a necessidade de disciplinar a atuação dos dirigentes

de órgãos e entidades do Poder Executivo Municipal durante o período
alcançado pela legislação eleitoral, resguardando-se o Município de

Brasiléia quanto à prática de qualquer conduta tendente a afetar a

igualdade de oportunidades entre candidatos; e


CONSIDERANDO que para a fiel observância dos princípios e normas

legais vigentes é salutar a orientação aos agentes públicos municipais
quanto às condutas vedadas,


D E C R E T A:


Art. 1º - São proibidas aos agentes públicos, servidores ou não,

as seguintes condutas tendentes a afetar a igualdade de oportunidades

entre candidatos no pleito eleitoral de 2020, sem prejuízo das vedações dispostas na legislação eleitoral:
I – ceder ou usar, em benefício de candidato, partido político ou

coligação, bens móveis ou imóveis pertencentes ao Município de

Brasiléia, ressalvada a realização de convenção partidária;
II – usar materiais ou serviços, custeados pela Administração Pública,

em benefício de candidato, partido político ou coligação;
III – ceder servidor ou empregado da Administração Pública, ou usar

de seus serviços, para comitês de campanha eleitoral de candidato,

partido político ou coligação, durante o horário de expediente normal,

salvo se o servidor ou o empregado estiver licenciado;
IV – fazer ou permitir uso promocional em favor de candidato, partido político ou coligação, de distribuição gratuita de bens e serviços de

caráter social custeados ou subvencionados pela Administração

Pública;
V – nomear, contratar ou de qualquer forma admitir, demitir sem justa

causa, suprimir ou readaptar vantagens ou por outros meios dificultar

ou impedir o exercício funcional e, ainda, de ofício, remover, transferir

ou exonerar servidor ou empregado público, na circunscrição do pleito,

a partir de 15 de agosto de 2020 até a posse dos eleitos, sob pena de nulidade de pleno direito, ressalvadas:
a) a nomeação ou exoneração de cargos em comissão e designação

ou dispensa de funções de confiança;
b) a nomeação dos aprovados em concursos públicos homologados

até o dia 15 de agosto de 2020;
c) a nomeação ou contratação necessária à instalação ou ao

funcionamento inadiável de serviços públicos essenciais, com prévia

e expressa autorização da Chefe do Poder Executivo;
VI – realizar despesas com publicidade dos órgãos públicos municipais,

ou das respectivas entidades da Administração Indireta, que excedam

a média dos gastos dos 2 (dois) primeiros quadrimestres dos 3 (três)

últimos anos que antecedem ao pleito, salvo em caso de grave e

urgente necessidade pública, assim reconhecida pela Justiça Eleitoral;
VII – fazer, até a posse dos eleitos, revisão geral da remuneração

dos servidores ou empregados públicos que exceda a recomposição

da perda de seu poder aquisitivo ao longo do ano da eleição.
VIII – participar de campanha eleitoral de candidato, partido político

ou coligação, inclusive por meio de manifestação em redes sociais e

sites de relacionamento, durante o horário de expediente.
§ 1º. O agente público que estiver de licença, férias, ou fora de seu

horário de expediente, poderá exercer plenamente sua cidadania

e participar de ato político-partidário, não podendo se beneficiar

da função ou do cargo que exerce.
§ 2º. Reputa-se agente público, quem exerce, ainda que transitoriamente

ou sem remuneração, por eleição, nomeação, designação, contratação
ou qualquer outra forma de investidura ou vínculo, mandato, cargo,

emprego ou função nos órgãos ou entidades da Administração Pública direta,indireta ou fundacional.
§ 3º. O descumprimento do disposto neste artigo acarretará a suspensão imediata da conduta vedada.


Art. 2º - Fica expressamente vedada aos agentes públicos:
I – a prática, no horário de expediente, de qualquer ato de natureza

eleitoral;
II – a manifestação silenciosa, em horário de expediente, da preferência

por determinado candidato, partido político ou coligação, revelada pela
colocação de cartaz, adesivo ou qualquer tipo de peça publicitária nas dependências internas do local de trabalho, em veículo oficial ou

custeado com recurso público, bem como a utilização de camiseta,

boné, broche, dístico, faixa ou qualquer outra peça de vestuário que contenha promoção, ainda que indireta, a candidato, partido político

ou coligação;
III – a menção, divulgação ou qualquer forma de promoção a candidato, partido político ou coligação no momento da prestação dos serviços públicos ou da distribuição gratuita de bens.
§ 1º. A violação do disposto neste artigo deverá ser imediatamente comunicada à Procuradoria Geral do Município - PGM para a adoção

dos procedimentos administrativos cabíveis visando à apuração e responsabilização dos infratores.
§ 2º. A conduta a que se refere o caput deverá ser imediatamente

suspensa pela autoridade hierarquicamente superior do responsável
por sua prática, tão logo tenha ciência do fato, sob pena de

responsabilidade solidária.


Art. 3º - Fica proibida a distribuição gratuita de bens, valores ou

benefícios por parte da Administração Pública, exceto em razão da calamidade pública e do estado de emergência decorrentes da

pandemia pelo coronavírus (SARS-CoV-2) ou de programas sociais autorizados em lei e em execução orçamentária no exercício anterior.
 

                                                              [............]


Parágrafo único. As determinações ou pareceres exarados pela

Procuradoria Geral do Município - PGM serão de aplicação obrigatória

e imediata no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Município de Brasiléia.


Art. 15 – Este Decreto constitui síntese orientadora das condutas

vedadas em período eleitoral e não afasta o dever de os agentes

públicos municipais conhecerem integralmente as regras contidas

na legislação eleitoral.


Art. 16 – Este Decreto entra em vigor na data de sua assinatura,

revogada expressamente as disposições em contrário.


Gabinete da Prefeita, 16 de outubro de 2020.


Fernanda Hassem
Prefeita de Brasileia

Decreto N° 053/2020 Condutas vedadas aos agentes públicos - Período Eleitoral

Ano
Meses
Publicação
Órgão
Excepcionalidade
  • Doeac 12.903

    Pág. 24-25

    Data   19/10/2020

SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO CIDADÃO (SIC)

Prefeitura Municipal de Brasiléia
CNPJ 04.508.933/0001-45
Prefeito Rolando Moreira, 198,

CEP 69932-000 , Centro, Brasiléia, AC

E-mail: gabinete@brasileia.ac.gov.br

Fone: (68) 3546-4402
            ​
Segunda a quinta: 7:00 as 17:00 
                      Sexta: 7:00 as 13:00  
Fechado das 12:00 as 14:00

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram

NAVEGAÇÃO

Município

- Hino e Símbolos
- Pontos Turísticos
- Galeria de ex-prefeito

Servidor Público

- Concursos
- Contracheque Online

Políticas (LGPD)

- Política Privacidade

- Acessibilidade + Digital

  • E-mail Prefeitura de Brasileia
Receber informações

Copyrigth Decorp. Todos os direitos reservados.